Prática de Yoga e a Consciência Corporal

Yoga é sobre sentir. E um dos primeiros desafios que enfrentamos ao sentar no tapetinho é o de sentir o corpo. Muitas vezes chegamos sedentários, rígidos, flácidos e cansados, assim, sentimos apenas as tensões, dificultando para que se consiga concentrar a mente em algo que não seja a dor e o desconforto.


Lembro de quando comecei a praticar: sentia dores intensas nas costas e ficar sentada em meditação era um sacrifício. Com muita paciência e persistência, no decorrer do tempo, com a permanência aprendi como deveria respirar e soltar todas essas tensão acumuladas não só no meu corpo, mas também em minha mente. Por exemplo, pode ser que agora você esteja, assim como eu estive por muito tempo, com os ombros rígidos, próximos das orelhas, ou com os maxilares tensionados. Então, já dá aquela respirada profunda e tenta soltar tudo. Agora imagine que permanecemos assim ao longo de vários dias, como isso não reflete em nossa saúde? Dores na coluna, bruxismo, dor de cabeça e mais um monte de coisa que poderiam ser resolvidas se separássemos um tempinho do nosso dia para relaxar.


Mas não basta só relaxar, precisamos também fortalecer e alongar. Assim, temos o pacote completo para um corpo mais saudável. E há também a importância de trabalharmos nossa mente, visto que é ela que irá “comandar” nosso corpo e como reagimos diante dos problemas do dia-a-dia. Consciência corporal é trabalhar mente, corpo e emoções de forma integrada. Parece fácil visto que o assunto já está bastante popular, mas quem pratica Yoga há mais tempo, sabe que há todo um processo de disciplina para atingirmos esse estado de autoconhecimento.


Uma das primeiras percepções que tive quando comecei a praticar foi como eu mastigava rápido. Eu praticamente engolia a comida. Queria mais terminar logo o almoço para poder sair do ambiente empresarial e poder espairecer, visto que tinha apenas 1 hora de almoço. Obviamente eu vivia estressada, irritada e sob pressão, somando esse hábito de engolir a comida, vivia com dores no estômago e irritada. A prática de Yoga me trouxe consciência de que eu precisava melhorar minha alimentação e a forma como eu me alimentava. E até hoje preciso estar sempre atenta a isso, mesmo que já tenha passado 8 anos desde então. Quando estamos atentos, sentimos qualquer alteração na mente e como isso reflete no corpo. Por exemplo, algo acontece e ficamos nervosos começamos a tremer, os batimentos cardíacos aumentam e a mão sua. Quando não temos consciência, apenas nos deixamos levar e, de repente, temos alguma reação negativa.


Quando conscientes, podemos refletir melhor sobre as reações, buscar uma respiração mais calma e talvez, dê tempo de escolher se queremos mesmo permanecer naquela situação tão estressante ou se é melhor se retirar. Sempre lembrando que essa reação do corpo foi essencial para a sobrevivência dos nossos antepassados, pois, em situações de perigo, essa adrenalina toda que nos fez lutar pela vida. O grande problema é que hoje, a qualquer situação estressante como, por exemplo, um problema no trabalho, nosso corpo já está entrando nesse processo e liberando grandes quantidades de hormônios (cortisol e adrenalina), refletindo em tensões, rigidez, e piorando a nossa imunidade.


Praticar Yoga com consciência corporal contribui para que se desenvolva uma melhor noção sobre nossos limites e capacidades: até onde pode ir, se pode avançar, onde você pode soltar mais e alongar, onde você precisa contrair. Tudo isso é bastante benéfico para qualquer outra prática física em sua vida, e até mesmo, para estar mais consciente do momento presente. Sem esta consciência no agora, é comum agirmos no automático - quebrando as coisas ao nosso redor, ou até mesmo, machucando a nós mesmos.


Pontos importantes para se observar no desenvolvimento da consciência corporal:


  • Como está meu corpo? Tenso, rígido ou relaxado? Estou ativando os músculos para sustentar meu corpo ou deixo tudo solto e sobrecarrego minhas articulações? Lembre-se de observar o alinhamento do corpo, ativar os músculos internos e respirar corretamente para sustentar tudo isso;

  • Como está minha respiração? Eu respiro conscientemente? Minha respiração é rápida ou lenta, baixa (na barriga) ou alta (no tórax)? Lembre-se que quanto mais lenta e baixa a sua respiração, melhor;

  • Como está minha mente? Estou no momento presente ou remoendo o que já passou e ansiando o que ainda nem aconteceu? Como está minha mente nas minhas atividades cotidianas - no meu trabalho, na minha casa ou até mesmo, a cada passo dado, a cada mastigação, a cada respiração). Onde está minha mente quando estou praticando Yoga na execução dos ásanas? Lembre-se disso quando trabalhamos a permanência, apesar de ser um aspecto difícil, é extremamente importante para desenvolvermos a consciência corporal.


9 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo